Skip to content

Doces conventuais

abril 20, 2010

Na viagem à Portugal da Verdemar em revista #9, um dos tópicos abordados foram os doces conventuais. Talvez você não os reconheça por esse nome, então vai aí uma dica de como são feitos: açúcar e gemas. Identificou? Certamente, você já provou um pastel de Belém, mas a tradição portuguesa dessas delícias vai muito além.

Pão de ló de Ovar, cidade do Baixo Vouga

Boa parte da doçaria portuguesa começa em conventos e mosteiros dos séculos XV e XVI – daí a denominação ‘doces conventuais’. Segundo o livro Doçaria dos Conventos de Portugal, as receitas foram criadas nos ricos conventos femininos por moças de famílias ricas e paladar refinado, que iam parar na clausura por diversas razões – quase nunca por vocação. Uma das formas de combater o tédio era inventar doces com várias etapas de preparo, que demandassem horas de trabalho e atenção.

A fartura do ovo e do açúcar moldou as receitas, pois esses eram mercadorias recebidas em troca de missas, rezas encomendadas ou como parte dos rendimentos de propriedades possuídas pelas instituições religiosas. Como as claras eram utilizadas para engomar hábitos, fabricar hóstias e para decantar resíduos do vinho durante sua preparação, o destaque nos doces recaiu sobre as gemas; combinadas ao açúcar do Novo Mundo, as freiras criaram as mais diversas receitas.

Outro aspecto curioso são os nomes dos doces. Barrigas de freira, papos de anjo, orelhas de abade e suspiro foram denominados a partir de situações diversas vividas pelas internas. Codificados, os doces funcionavam como uma espécie de memória e comunicação da vida enclausurada.

Já está salivando? Calma, separamos uma receita portuguesa, além das outras que você encontra aqui. Com um detalhe: você terá de quebrar nada menos do que 20 ovos!

Manjar

Ingredientes
20 gemas
700 g de açúcar
½ litro de água
1 colher de sopa de baunilha
amêndoas moídas o quanto baste

Modo de Fazer
1. Faça uma calda grossa derretendo o açúcar com um pouco de água. Coe as gemas e jogue-as na calda quente, mexendo sempre. Leve ao fogo até secar a calda.
2. Em uma taça, coloque camadas do doce de ovos e de amêndoas moídas. Sirva enfeitado com fios de caramelo.

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: